O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




domingo, 21 de março de 2010

Desafio Poético

Gostaria de propor outro desafio. 
O que você vê nessa pintura de Dali?


Façamos um diálogo poético tendo como inspiração essa linda pintura.





             Salvador Dali "Adolescense"



 Por que olhas com esses olhos cálidos,
a mirar além de mim o horizonte
Não vês que preciso do teu olhar no meu
Não vês que através de ti
minha existência se completa
Não quero ser na tua vida 
apenas a sombra de uma saudade
Na tua vida quero ser
um ser humano de verdade
Olhemos juntos o horizonte aberto
Atravessemos a fronteira da vaidade
Sejamos nós mesmos,
um para o outro,
a reconstrução do amor que unifica,
do amor que nos leva a verdade
Ao eterno infinito de nós dois



Ianê Mello




Meia presença



Como não havia uma moldura para tua imagem,
resolvi espalhar-te ao redor da minha aldeia.
Há quem diga que até hoje dormes na encosta;
ou deslizas até o verde-azul das primeiras ondas,
e não retornas para um sorriso...

Parece que sussurras barcarolas ao meu ouvido,
e já sem sair daqui estou muito distante de mim;
acompanhando-te em tua misteriosa aventura.
Mas as raízes podem mais coisa que o desejo:
Eu fico; e mais distância de mim eu sofro.
 
Sou homem simples de destino muito estreito;
não sou de ir aos lugares que levam horas até lá;
tudo meu é de minuto, é de muito próximo até.
É de muita dúvida e não saber ao certo significar.
Passo duas voltas de chave nas palavras e calo.

Às vezes estou a doer do amor que me ensinaste,
tentando com meu silêncio as frases que decorei.
Repetindo no ar tantos beijos que não arrisquei.
Não tenho certeza se te aprisionei em meu mundo,
ou se do teu já não junto forças de me libertar.
Quem és que só sinto e não te encontro?

Verdade é que ciência de mim não mais possuo,
que me ateste que foste sonho, e nunca vieste;
ou que me deixaste e a loucura me apanhou...
Fico cá, de cara com o olhar que eu desenhei;
esse que não deixará que me falte o sol, o céu.

Ricardo Fabião


Diálogo Poético - Colaboradores: Ianê Mello, Ricardo Fabião


 

9 comentários:

Cris disse...

Essa pintura é surreal?
Vejo um rosto entre águas e uma mulher sentada na areia do mar...
Beijos

Ianê Mello disse...

Cris,

É. A pintura é de Salvador Dali.

O interessante nesse tipo de pintura é que podemos dar várias interpretações.

Você deu a sua.
Gostei.

Grata pela presença e participação.

Beijo.

Pérola disse...

Bom dia.
Eu vejo um mistério embutido,revelando sentimentos confusos mas no olhar, uma confissão de posse.
beijokas mil.

marioluiz86 disse...

Vejo nesta pintura, uma mulher em conflito com seu sonho e seu passado, ao mesmo tempo.
A nostalgia misturada com um desejo do porvir.

É uma bela obra essa pintura!

Parabéns por este seu outro site, igualmente bonito e inspirado, e bastante criativo!

Grande Abraço!

Mario Luiz.

Mateus Luciano disse...

vejo claramente um rosto um menino e uma praia...
e também vejo que um é necessário para que o outro exista.

Ianê Mello disse...

Agradeço à todos pela presença e comentários.


Beijos.

Ianê Mello disse...

Ricardo,

Que lindo poema!

Belo diálogo.

Beijos.

Lara Amaral disse...

Belos poemas, poetas, ficou muito bonito.

Abraços.

Ianê Mello disse...

Obrigada, Larinha.

Beijo grande.

Related Posts with Thumbnails