O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




terça-feira, 9 de março de 2010

Eu Poema...




Minha vida é um
poema inacabado
Todo dia escrevo uma frase
Que parece não
combinar com nada...

Nesses versos não tem
rimas precisas
Tem apenas
uma vontade de não sei o quê,

Saudades de amores não vividos,
Tristezas não compartilhadas,
Dores que carrego comigo,
Que me deixam fragilizada

E ao menor toque
Desfaço-me em pedacinhos
Que se perdem e desaparecem
Sem deixar vestígios...

Assim sou eu
Um poema que nunca vai ter fim
Já me parti tantas vezes
Que agora já me perdi de mim.



Maria Bonfá


Diálogo Poético - Colaboradores: Maria Bonfá


7 comentários:

Sandra Botelho disse...

Ah, sou suspeita pra dizer que é lindo porque minha linda amiga que escreveu.
Mas é lindo.
E você minha querida é um poema, lindo de se ver e viver.
Bjos nesse coração lindo

avarandados do anoitecer disse...

Outrora era música
no ritmo do tempo
batucado na pele do vento...


Muito bom, adorei, parabéns!!!

Beijos,
Vixuz.

Angélica Lins disse...

Gostei muito, muito mesmo.

Parabéns!

=)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Me lembrou Gabriel García Márquez, para quem, a vida inteira, o escritor escreve o mesmo livro...

Cris disse...

Realmente a vida é um livro, cada dia um capítulo.... Abraços

Maria Flor! disse...

Lindo...Lindo!!!
Meus aplausos poetisa linda!

Beijos da Flor!

Ianê Mello disse...

Maravilha de poema, amiga!

Beijos.

Related Posts with Thumbnails