O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sábado, 27 de março de 2010

Os desenganos do amor.

















Tão claro quanto
o céu de primavera
foi meu amor

amando desvairado
rotineiro e insensato
se tornou

e hoje só aceito
sua opinião
além de outras mil

jovem Escarlate tão
piedosa e vulgar
naquele shortinho

fez entristecer
meu carinho
fez me querer não viver...


Mateus Luciano



O amor pode ser assim
surge mansa e calmamente
toma conta do nosso ser

Por ele somos capazes
de enfrentar o mundo,
por ele tudo fazemos

Se defeitos ele tem
só as qualidades se mostram
e nos deixamos enganar 
pela imagem que criamos

De repente, acordamos de um sonho
e a realidade se mostra menos colorida
O que fazer com esse amor, agora
se ele nos suga a vida?


Ianê Mello





Diálogo Poético - Colaboradores: Mateus Luciano, Ianê Mello




2 comentários:

Fazendo Diferente disse...

Poema excelente...

jefhcardoso disse...

Cara, eu postei o meu poema e depois vim ver o que estava sendo feito aqui hoje. Pensei: sintonia universal.

Sorriso e abraço: Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

Related Posts with Thumbnails