O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sábado, 13 de novembro de 2010

Filosofando tempo, janela e café



Iniciando participação, ainda experimental. E experiência não é coisa que um outro dê. Ou que a gente compre. Vivência, é isso. Primavera desemboca no verão, as árvores dizem. Jesus passou por aqui, diz a oliveira. Vi um homem chorando numa canoa lá atrás, diz o rio. O rio é a terceira margem, afinal de contas. O tempo se abre, janela antiga, e através dela configuramos o que já sabemos da manhã que se debruça. À tarde, quando fechamos o mundo lá fora, a lembrança do dia ainda corre nas veias, ainda azul. O silêncio é só um hiato entre as palavras. Negro é intermédio das cores. Acende a lâmpada, Zuleica. Senta aqui, toma café e vamos conversar.


Jane Chiesse

4 comentários:

Beto Palaio disse...

Beleza, Bwana Jane...

Ianê Mello disse...

Adorei, Jane, sua primeira participação por aqui.
Volte mais,

Beijinhos.

Mgomes - Santa Cruz disse...

Jane: Lindo texto adorei. Bom fim de semana.
Beijos
Santa Cruz

Jane C.Z. disse...

Obrigada aos amigos que gostaram do texto. Voltarei mais vezes!

Related Posts with Thumbnails