O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Vago



          
            O céu está                                    cinzento                                                                                             
            Por nuvens escuras                   encoberto     
          
           Mas o vento sopra                       forte            
                                                              
           Pode as nuvens                           dissipar                                          
                           
       
           
                     E a lua tímida e nua
                     Pode voltar a brilhar.



                      Ianê Mello



         Ele a viu                                          Ela o viu
         Ele se espantou                             Ela sorriu  
         Na contramão dos trilhos                                                      

                                                                   O amor surgiu
                 
                    
                         E de se verem, o destino os proibiu
Diálogo Poético - Colaboradores: Machado de Carlos, Ianê Mello, Felipe Carriço

4 comentários:

Lara Amaral disse...

Muito bom esse poema visual!

Ianê Mello disse...

É isso aí, galera!
Tô gostando de ver...

Beijos.

Amanda Nolasco disse...

Lindo poema! Tô seguindo o blog!
Amei, super criativo e atraente!

Ianê Mello disse...

Amanda,

seja bem vinda.

Obrigada.

Beijos.

Related Posts with Thumbnails