O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




domingo, 14 de fevereiro de 2010

Pedaços de Mim

                                         Machado de Carlos



As paixões  são assim
nada nos resta a fazer
Crescem dentro de nós,
criam profundas raízes
e se arvoram de poderes de ficar
Mas com elas ervas daninhas
crescem ao seu redor
e nos provocam tristeza e dor
Paixão não correspondida
não deveria se tornar amor
E agora, o que fazer
com as raízes que se alastram,
se apoderam do nosso ser
Nossa vontade é única
por esse ser ser amado
e poder estar ao seu lado
compartilhando momentos só nossos
Como uma bela ávore que cresce
mas de forma desordenada seus galhos
fogem do rumo e precisam ser podados
e seus frutos saborosos também apodrecem
e se quedam ao chão inúteis ao paladar
Assim, deve ser o amor quando não correspondido,
com delicadeza tolhido, podado em seus galhos,
adubado com muito amor próprio
e regado com água pura e cristalina
Essa tarefa, a nós cabe e com ela cumprida,
certamente, aprenderemos a nos amar melhor


Ianê Mello



Diálogo Poético - Colaboradores: Machado de Carlos, Ianê Mello

2 comentários:

Pérola disse...

Bom dia meu querido.
Então estamos os dois em metades rs.
Adorei a sua postagem.
Parabéns pelo bom gosto.
Um lindo dia e um beijo onde desejar rs.

Sandra Botelho disse...

Belissimo poema.
Me deu um trabalho danado para ler, estou ficando meio ceguinha...
Rsrsrsr.
Bjos e um lindo domingo

Related Posts with Thumbnails