O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sábado, 6 de fevereiro de 2010

Minh'alma




A minh'alma
Solitária e selvagem
Reluta dentro de mim.
.
E cada movimento,
Como em fera enjaulada,
cria-me uma cicatriz.
..
Busca o semblante morno
das auroras de verão
E padece ante o inverno,
A indecifrar-lhe situações.
.
Revestida de desalentos
Ou cercada por alegres intentos,
Solitária finge,
Solitária ri,
Solitária chora,
A caminhar.


Lice Soares




Solidão que apavora
em minh'alma que chora
a pungente dor do sentir
sem ter para onde ir

Como uma ave
que tem asas
mas não sabe voar
Este meu penar
deixa em brasas 
um coração a amar

Solitária em minha dor
já não tenho o vigor
de minha juventude perdida
e não encontro saída

Asas pra que tê-las
se usá-las eu não sei
Melhor seria não vê-las
e desistir do que sonhei

Ianê Mello




Diálogo Poético - Colaboradores: Lice Soares, Ianê Mello 

Um comentário:

Solange disse...

gostei muito..
a alma é como o dom..quando aflora muito, tem que por pra fora..
bjs.

Related Posts with Thumbnails