O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Assim é o amor...







É o amor
em dose dupla
que nos cerca
que promete coisas
De lá prá cá
É o seu amor
Dizendo ao meu
fica comigo
Daqui prá lá
é o meu amor
Dizendo ao seu
fica comigo
Quando atentos
Ou nem tanto
Nos entendemos
ser um do outro
E era isto somente
o que o amor queria




É o amor...
sol e lua
Yin e yang
Corações em uníssono
batendo juntos..
Tum-tum...tum-tum
Olhos nos olhos
e na mesma direção
Mão na mão
surpresa e emoção
aflora e se demora
no compasso
da paixão




É o amor...
tão sorrateiro
qual fumaça
nas serranias
chega cedo
para logo sumir
ao meio-dia
Aparece aqui
desaparece ali
Diz-se especial
Faz-se de truques
Esse é o amor
Dos escravizados
que nunca chega
perto do nosso
que é um amor
tão delicado
dado ao infinito




É o amor...
presente mais caro
sentimento raro
faz a alma saltitar
faz-nos crianças
vivemos das lembranças
dos momentos a passar
quando longe
um do outro
a saudade a apertar
tudo o que queremos
é aos braços um do outro
nos entregar




É o amor...
Nos propondo laços
aprofundando atos
teimando em vir
nas horas impróprias
acendendo lumes
abrindo históricos
queimando incensos
Real este amor
dado a farturas
passando fomes
dormindo ao léu
saltando pontes
queixando-se além
de estar sozinho
enfastiado com tudo
de barriga cheia
satisfeito em fazer
de nós dois
apenas nós dois
seus mais fiéis
adoradores.




É o amor....
namoro na rede
noite ao luar
céu de estrelas
brisa a refrescar
horas inteiras
no ato da entrega
num beijo selada
promessa de eternidade
olhos nos olhos
transbordando carinhos
amor perfumado
rosas febris
escondidos espinhos
para não ferir
Amado cuidado
no sono velado
no cansaço da noite
repleta de amor
nos corpos extasiados
satisfeitos no prazer


Beto Palaio e Ianê Mello


Mulher comovente exaltação
amor, fluidos, demência, Razão
Os seres que te habitam, celebram
transitam na fronteira tênue
do sagrado e o profano
sentimento deflorado
angústia aguardando suas mãos...





Lou Albergaria




Amor, amado
sonhado
cuidado,
como uma flor...
Amor de algum dia
amor que trazia
ânsia de viver
e que veio dar
vida aos meus dias
em que as arrelias
já antes moravam
e me sufocavam
sem razão
de ser...
Agora de novo
o sonho voltou
e o amor chegou
trazendo harmonia
ao meu dia-a-dia
e ela nos meus braços
estreitando os laços
que em nós já havia
gemendo sorria
por tantos afagos…
seus olhos eram lagos
em que eu me afundava
seu corpo se abria
em carícias ternas
que eu quizeras eternas
levando-me aos céus
em sonhos tão belos
felizes, singelos,
mas com tal beleza
que eu tenho a certeza
só vão terminar
se a noite chegar
cheia de cansaços
de corpos suados
mas tão extasiados
de tal amor ter
mas sempre enleados
…mortos de prazer…





Joaquim Vale Cruz





Quando o desejo dava as mãos,
pelas catedrais dos Deuses,
mergulhava na água sedenta do teu corpo,
e dizia baixinho ...
_Meu Amor!

Com o sol ainda a queimar os lábios,
brotava no meu ventre a água doce,
da apoteose do ser... e da
sede a saciar...

A rir , deslizava os dedos,
no teu peito, ao ouvido a sussurrar...
_ Meu amor , os poetas são feitos
de fogo e mar!






Maria Augusta Loureiro
(Margusta)







5 comentários:

Paulo Francisco disse...

Voltei pra ler mais uma vez. Gostei muito deste blog!

Ianê Mello disse...

Obrigada, Paulo.
Seja muito bem vindo.

Cris Caetano disse...

Gostei demais!!!

Beijos

Ianê Mello disse...

Cris,

obrigada.

Bjs.

margusta disse...

Muito Obrigada amiga Ianê, pela postagem do meu poema.

Um beijinho e bom fim de semana!

Related Posts with Thumbnails