O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sexta-feira, 9 de abril de 2010

CEGUEIRA

   




Na lógica da escuridão
A vida não dá passe livre
As noites são só retalhos
Onde vagam as sombras
De tudo o que não foi
Pensando no auge de ser
Um cego pinta a madrugada
E no êxtase há a penumbra
Enquanto arde um toco de luz
Indicando um único caminho
Que tem começo e fim
Na beira d´um escuro abismo





by IVAN CEZAR




Quem tem olhos para ver
que veja o anoitecer
de um belo dia de sol
Que veleje  na embarcação 
rumo ao clarão do farol
Os olhos guiarão
àqueles que o mantiverem abertos
Na alegria e na dor
Nos momentos de amor...
Mas esses mesmos olhos que fitam
o que belo se manifesta
deverão verter em lágrimas
quando diferente a visão for
Quem tem olhos para ver
que seja grato por tê-los
Vendá-los é desprezar
a beleza do olhar
para negar o não belo



Ianê Mello


 





Diálogo Poético - Colaboradores: Ivan Cezar, Ianê Mello


 

5 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Lindo poema, Ivan Cezar! Parabéns!
Na beira de um escuro abismo, o começo e o fim de tudo...
Um abraço

Cris disse...

A vida é feita de escolhas... infelizmente às vezes temos só um caminho a escolher... Beijos

Mateus Luciano disse...

falar do escuro ,falar da alma ,de certas coisas
da noite.
o silêncio que há na escuridão.

Ianê Mello disse...

Amigo Ivan, lindo seu poema. Profundo e reflexivo!
Espero que tenha gostado da imagem que adicionei.

Beijos.

Jairo de Salinas disse...

Belo texto, Ivan.
Parabéns!

Related Posts with Thumbnails