O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




quinta-feira, 6 de maio de 2010

Amor Etéreo

 


















Amor sublime em acordes musicais.
Harmonias vindas do coração.
Vozes da alma.
Amor que transcende,
que se eleva e se espalha no ar...
... etéreo.



Ianê Mello


Imenso Amor

Bebo do cálice do teu amor...
Em ti encontro o refúgio, amada lua.
Ignóbil eu sou, e, vejo-te toda nua...
E no sábado, vislumbro o teu amor.

Oferto-te um título com amor...
Nos minutos a ilusão flutua,
Teus pés audíveis enfeitam a rua,
Busco nos céus o nectário do amor.

No teu rosto há o eflúvio que perfuma,
Conto pétalas d´ouro, uma a uma...
Tua expressão soa como um hino!...

Tímido...beijo os teus cabelos, meu astro!
Tenho o teu cheiro... teu canto... teu rastro...
Eterno será teu corpo divino!...

Machado de Carlos


O Amor


Entre um sonho e outro
Desperta o amor.
E vagueia por verdes prados,
passeando por entre flores
e borboletas, a circundar-lhe.

O amor é uma onda misteriosa
Formada por substância desconhecia e poderosa
Que emana do mais sensível do nosso ser.

E se espalha pelos campos verdejantes do
nosso coração,
Fertiliza a terra,
reproduzindo frutos e
Alimentando a alma.

E, em silêncio, se alimenta
Fertilizando solos,
Aparando arestas,
Podando galhos, criando mudas,
Cultivando, ao seu redor...
Campos sem fim.

Falei sobre o amor
E cantei-lhe em canções.
Mas, quando o conheci,
Fez-se , em mim, silêncio profundo,
Calei-me.
Busquei-o, sondei-o
E nele encontrei-me,
ao senti-lo.


Lice Soares


O amor....grita o violino.
O amor...suspira a Lua.
O vento nada diz....
Mas eu sinto-o na pele...
Tão suave, tão doce o toque....
Fecho os olhos e é para ele que toco....
O vento....

Marta


As cordas fêmeas
e sutis do violino
clamam sedentas
de paixão ao violão Celo.
Surge uma voz doce
carregada de mistério
e a platéia atenciosa
entra em êxtase.
Nessa hora, delirante e satisfeita
Sorri a música
com a junção entre três timbres.
 
 
Jairo Cerqueira 
 
 

Diálogo Poético - Colaboradores: Ianê Mello (ilustração e poema), Machado de Carlos, Lice Soares, Marta,Jairo Cerqueira 


  

7 comentários:

Marta disse...

O amor....grita o violino.
O amor...suspira a Lua.
O vento nada diz....
Mas eu sinto-o na pele...
Tão suave, tão doce o toque....
Fecho os olhos e é para ele que toco....
O vento....

Adorei a imagem e os poemas.
Beijos e abraços
Marta

Dilberto L. Rosa disse...

Bastante amor transbordando e fazendo escorrer tinta por aqui... Parabéns por mais este 'post' etéreo e sensível! Abraço!

Cris disse...

Belíssimos poemas, vão até o fim da alma... Beijos

Jairo Cerqueira disse...

"As cordas fêmeas
e sutis do violino
clamam sedentas
de paixão ao violão Celo.
Surge uma voz doce
carregada de mistério
e a platéia atenciosa
entra em êxtase.
Nessa hora, delirante e satisfeita
Sorri a música
com a junção entre três timbres".

S.O.S. Ianê!
Bjs

Ianê Mello disse...

Amigos,


estou emocionada com os lindos poemas que vocês postaram.

Muito obrigada por estarem aqui me ajudando a construir esse blog com contribuições tão belas.

Um grande beijo à todos.

Carlos Eduardo Leal disse...

Amor, amores,
ilusões soberanas
amor, amores,
paixão em forma de palavras;
palavras que iluminam uma vidaadois.
abçs,
Carlos Eduardo
veredaspulsionais.blogspot.com

Ianê Mello disse...

Carlos,

Fico feliz por sua visita e comentário.

Irei visitá-lo.

Grande abraço.

Related Posts with Thumbnails