O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




quinta-feira, 7 de julho de 2011

Os tesouros do mundo



Paráfrase do soneto "Nasce o Sol, e não dura mais que um dia..." de Gregório de Matos

 
O sol nasce garboso e pouco dura;
A luz traz na rabeira a escuridão;
Toda beleza tem ponto final;
Toda alegria tem sua sepultura.

Por que desponta o sol, se não perdura?
Por que és, brilhante luz, tão desigual?
Como se acaba formosura tal?
Como se enterra um bem e não suspira?

Que falte ao sol e a luz tamanho garbo;
Que falte à formosura tal firmeza;
E da alegria faça-se o traslado.

O mundo enfim é desditosa empresa:
Quaisquer tesouros tem por emprestado
Alicerçado apenas na incerteza.

RODRIGO DELLA SANTINA

5 comentários:

Ianê Mello disse...

Belíssimo soneto, amigo!

Obrigada pela presença.
Bjs.

Lou Albergaria disse...

Lindo, Rodrigo! Parabéns!

É essa incerteza que nos alimenta...

Beijo imenso! Ótimo fim de semana!

Rosi Alves... disse...

amei!

Carol Morais disse...

Li uma coleção de poemas de Gregório. Acho o máximo e o poema de rodrigo está tão belo!
Um abraço!!

Rodrigo Della Santina disse...

Muito obrigado, Ianê, Lou, Rosi e Carol! Depois de muito tempo ausente, fico deveras contente com a apreciação declarada de vocês de meu pequeno soneto! Muito obrigado!
Abraço a todas!

Related Posts with Thumbnails