O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




domingo, 16 de janeiro de 2011

O ENTARDECER

 Pintura de Giorgio Dichirico


 
Sombras ao cair da tarde
se projetam nas ruas:
das casas,
da menina e seu bambolê,
de uma estatueta na praça,
de um árvore frondosa.
Sombras da tarde
ocultam silêncios,
revelam desejos.
Nas casas e vilarejos
pessoas sós, encimesmadas,
famílias reunidas, acaloradas,
um casal apaixonado,
um bebê adormecido,
uma mulher que chora...
E o dia se queda morno
até tudo se tornar escuridão
tendo a noite como companhia.





Ianê Mello

6 comentários:

Insana disse...

encantador.

bjs
Insana

Amor feito Poesia disse...

Já chamei pessoas próximas de "amigo"
e descobri que não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada
e sempre foram e serão especiais para mim.

(Clarice Lispector)

Feliz Semana....Beijos meus! M@ria

Ianê Mello disse...

Bom tê-la por perto.
Bjs.

Ianê Mello disse...

É sempre um prazer recebê-la.
Obrigada, Maria.
Bjs.

Laércio Neto disse...

Gostei da sensação de fim dE tarde, de morrer do dia, do fechar as cortinas depois de uma apresentação. Sabe, sua poesia meio que desenha o fim do ciclo de um dia, com aquele entardecer tipicamente urbano.Seu texto revela o diminuir da intensidade das atividades, deixando a temperatura do dia mais amena.
Parabéns !

Marta disse...

Nas sombras, em que escrevemos o silêncio do que nos atormenta...
Por vezes, nunca o confessamos...
Outras, gritamos alto, mas a dor continua lá...
Enterrada na sombra....

Beijos e abraços
Marta

Related Posts with Thumbnails