O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

SÓ MAIS UM POUCO



vamos para valer
um no outro azular
festa de ser beleza
a se entregar

a vida inteira gozar
em intenso prazer
ao eterno enluarar
num deleite do fazer

fazer com vagar
em doce parábola
corpos desnudos
expulsos do paraíso

da maçã, fruto proibido
comer até a casca
saboreando cada pedaço
como um manjar dos deuses

mais um pouco
apenas mais um pouco
mais um pouco, amor
só mais um pouco

ai... delicioso sentir
esse desejo insano
loucura de querer bem
perca-se em mim, amor...
só mais um pouco

Beto Palaio e Ianê Mello

3 comentários:

Vieira Calado disse...

Também eu quero um pouco dessa maçã!

Saudações poéticas

Ianê Mello disse...

Divida-a com a sua Eva, amigo.

Saudações poéticas.

Analuka disse...

Que delícia este blog!!! Pousei aqui a partir de um vôo pelo Máquina Lírica, da doce Luciana... Este poema está uma beleza, vou relê-lo algumas vezes para saborear bem! Deixo beijos, pintados e alados.

Related Posts with Thumbnails