O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




sábado, 19 de junho de 2010

Cartas de Agosto/ Esperança no Amor



















Aquelas cartas de agosto
Nunca foram escritas
Eram letras enforcadas

------------------------

Presas na grande garrafa
E no gargalo do desgosto
Morreram elas constritas

-------------------------

Desordenadas e sem posto
Elas jamais foram postadas



IVAN CEZAR



Aquela carta de despedida,
que fiz com tanto pesar,
ficou no tempo amarelada,
nem cheguei a te entregar!

Nela eu estava rompendo,
mas rompeste em meu lugar
Não me deste nem o gostinho,
do nosso namoro acabar!




Nalva



Nem vale a pena escrever...
Explicar seja o que for...
Fecha-se a alma, o corpo, o coração...
E quanto ao sorriso....tão diferente, tão magoado...
O papel pode ser o meu confidente,
a raiva dizer-me para o meter no envelope e deixar que o correio te diga como sofro....
Não vou fazer isso....Já sei que não voltas e tenho que matar em mim essa esperança...
Sofro demasiado....




Marta


Carta Perdida




Uma carta um dia escrevi
e nela eu revelava meu eterno amor
Palavras tolas e infantis
pois eu era apenas uma criança
e nada sabia da vida, do mundo

A eternidade do amor 
era por mim acreditada
como o sentimento mais lindo 
que um ser humano possa ter

Eu acreditava na"cara metade"
naquele ser que um dia
havia sido de mim separado
e retornaria como luz para meus olhos

Bastaria que nos olhássemos 
para que nos reconhecêssemos
E mais nada na vida importaria
A beleza se faria presente em nós

Onde se encontra essa carta?
Garanto não sabê-lo mais
Mas ela bem poderia ter sido engarrafada
e jogada ao mar como em filmes de amor

Mas não foi e ainda espero
ou não mais espero, essa alma gêmea
Esse amor eternizado pelo tempo
Esse amor de contos de fada.

Ianê Mello



Carta


Meu anjo, minha alma gêmea, meu tudo:
Amor, à primeira vista, no diário, lavras
Grafas sinais de nossa história; contudo,
A lápis, envio-te só algumas palavras.

Conto os minutos.. A ânsia de te encontrar
Ah!...Esta perda irreparável de tempo!...
Só amanhã saberei onde vou ficar
Sem ti passo por este vazio de momento

Se estivéssemos juntos, não sentiríamos dor
Nas reminiscências, contemplo tua beleza
Tu és as razões da vida, meu amor
Pare com isso. Por que tanta tristeza?

Urge nossa união. E que vida teremos!...
Juntos poderemos pintar o nascer do Sol
Sei que são as horas, que só nós queremos
Selaremos nossas almas no amor maior.

A jornada noturna foi horrível
Só chegarei às quatro da manhã
Passei por um forte temporal!... Terrível!...
Matei a fome apenas com uma maçã.

Avisaram-me para não viajar à noite;
Sentindo tua falta, isso só me tentou
A viagem pesada e insetos como açoite,
Na estrada ruim, a carruagem quebrou.

Só há uma estrada (estreita) no campo
E, estou completamente retido,
Sonho com o aconchego de teu manto...
Visões abstratas... Deixam-me abatido!

Felizmente, encontramos outro caminho;
Graças a Deus, logo juntos estaremos
No momento, curto o cantar dos passarinhos
Vagueando a madrugada, cortando o sereno.

Hoje, sem falta, espero, tenho de te ver
Tua presença!... Palpita o velho coração!...
Chega desta angústia, deste sofrer
Que seja realidade esta ilusão!...

Por mais que me ames, te amo muito mais
Tristeza e solidão... Lágrimas incontidas!...
Somos um só corpo. Parece demais?
Nossas almas ligadas para toda vida.

No leito, a mente voltada para o jardim;
Ofereço-te uma flor com olor sem igual
Por favor, não fujas, não te escondas de mim
Não fico sem ti, minha Amada Imortal.

Alguns pensamentos alegres ou tristes:
Será que o frio destino nos ouvirá?
Procuro a esmo palavras que felicite,
Até quando este caos nos perseguirá?

Só poderei viver contigo ou não viver;
Ser humano é viver nesta agonia?
A cavalgada é dura, temo sofrer!
Ocupo o vácuo com música e poesia...

Agora vou dormir. Tenha calma, amor;
Hoje, ontem, anseio por ti até as lágrimas.
Nos meus sonhos, vejo-te como uma flor,
Espargindo teus fluidos em cascata!...

Tu és meu amor, meu tudo e minha vida
Então, adeus. Continue sempre a me amar!
Sempre teu. Sempre minha... Ouça a despedida...
Em breve (felizes), vamos nos encontrar.


Nota do Autor


O poema “Carta” de minha autoria, foi escrito baseado no teor do filme “Minha Amada Imortal”, que também foi escrito baseado na Biografia do compositor Ludwig Van Beethoven.


Machado de Carlos


Publicado no Recanto das Letras
Código do texto: T1083708





Diálogos Poéticos _ Colaboradores: Ianê Mello( imagem), Ivan Cesar( poema), Nalva, Marta, Ianê Mello ( Carta Perdida)

16 comentários:

HM disse...

Aquela carta de desgosto...
nem selo tinha...
pois o que ele havia posto...
sabe-se lá...adivinha...

Ianê Mello disse...

Amigo, acresci a imagem.

Grande beijo.

Nalva disse...

Aquela carta de despedida,
que fiz com tanto pesar,
ficou no tempo amarelada,
nem cheguei a te entregar!

Nela eu estava rompendo,
mas rompeste em meu lugar
Não me deste nem o gostinho,
do nosso namoro acabar!

Marcello disse...

Palavras que mais doem.
As que nao encontram eco nas paginas.
Muito bom.

Zélia Guardiano disse...

Cartas... Tema encantador... Mexem comigo...
Parabéns, Inaiê!
Pababéns, Ivancezar!
Beijos

Marta disse...

Nem vale a pena escrever...
Explicar seja o que for...
Fecha-se a alma, o corpo, o coração...
E quanto ao sorriso....tão diferente, tão magoado...
O papel pode ser o meu confidente,
a raiva dizer-me para o meter no envelope e deixar que o correio te diga como sofro....
Não vou fazer isso....Já sei que não voltas e tenho que matar em mim essa esperança...
Sofro demasiado....

Beijos e abraços
Marta

IVANCEZAR disse...

As cartas chegaram , por certo, na alma sempre inquieta de quem constrói a poesia . Que bom !!

Ianê Mello disse...

Parabéns à todos os amigos.

Grande beijo

jefhcardoso disse...

Olá Ianê! Tudo bem? Conforme eu havia lhe dito, por motvo de tempo menor precisarei restringir as minhas ações aos meus dois blogs e gostaria de me desvincular desse que tanto gosto e sou muito grato, para em um tempo futuro retornar se assim for possível. Estive nas configurações e encontrei a expressão 'excluir este blog'; com receio de causar danos ao blog ao tentar exclui-lo de minha conta eu não o fiz. Gostaria de saber como faço para me desvincular. Grato: Jefhcardoso

Ianê Mello disse...

Jefh,
isso me entristece, pois sempre valorizei muito suas participações. Se quiser continuar com seu nome entre nós não há problema. Escreva só quendo puder.

O que acha? Aceita minha proposta? Grande bj

Priscila Lopes disse...

Lembram-se daquela do Renato Russo?

"Escrevo-te estas mal traçadas linhas, meu amor, por que veio a saudade visitar meu coração; espero que desculpes os meus erros, por favor, nas frases desta carta que é uma forma de afeição. Talvez tu não a leias, mas quem sabe até darás resposta imediata
me chamando de "Meu Bem". Porém o que importa é confessar-te uma vez mais: Não sei amar na vida mais ninguém..."

Ianê Mello disse...

Priscila,

obrigada pela visita.

Linda lembrança a da música.

Bjs

VASCODAGAMA disse...

Foi uma despedida sem CARTA sem abraço, sem um beijo;
Até hoje essa CARTA tão desejada...mas...talvez extraviada
ou nunca escrita....
Em meu peito està guardada...

VOU VOLTAR

Ianê Mello disse...

Sim, Vasco da Gama, quem sabe em lugar da carta possas escrever um poema. Alivia o coração.


Volte sempre.

Rodrigo Della Santina disse...

Sim, as cartas... Um tema bastante interessante, apreciável. Lembro daquele poema do Bandeira, onde ele dizia "(...)as cartas que o meu avô/Escrevia a minha avó". Um belo poema.
Parabéns e grande abraço aos poetas,

Marcelino disse...

Parafraseando Fernado Pessoa: todas as cartas de amor já soaram ridículas; soaram, mas não o são.

Related Posts with Thumbnails