O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Grilhetas




Ali a nado
Alienados
Naufragados
Seguem cegos
Sem saber
Que ali ao lado
Estão os seus próprios barcos.


Jairo Cerqueira

5 comentários:

Pistoleiro Corvo disse...

A resposta para as perguntas incessantes, em um maravilhoso poema!

Parabéns!
Abraços!

Marcelino disse...

Muito criativo o texto do Jairo Cerqueira, bem feito que só!

Otário disse...

por vezes o barco
que segue à nossa
frente, não é o
desejado, e por
isso nos decidimos
naufragar vezes
sem conta!!!!

Lou Albergaria disse...

Lindo poema, Jairo!!!

Mas às vezes naufragar também é caminho...

Beijo grande!!!

Ianê Mello disse...

Lindo,amigo.

Volte sempre.

Bjs

Related Posts with Thumbnails