O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Eu, Epimeteu acorrentado




Ó magna corrente! Ó sublime ferro,
Que trava relações com minha carne!
Ó sangue abençoado, que a forjar
Me está a alma para este Novo Império!

Eu vos invoco! Vede quão sincero
E justo é o meu tormento, como arde
Em mim o Fogo (aceso, a crepitar)
De eras remotas, de hoje e dos Mistérios!

Império, ó divino Império, tábua
De Liçoens, muro redemptório, báculo
De fé, deixa-me preso a este rochedo!

Guarda-me ao Pensamento, à Voz! Guarda
Todas as Cores e todos os Sons!
Dize-me da Sorte, como um Oráculo!

RODRIGO DELLA SANTINA

6 comentários:

Pérola disse...

Que versos poderosos.
Quase se ouve o seu bradar!

Beijinho

Cristal de uma mulher disse...

Filosofia e mistérios existe em tuas letras..algo que só busca aqueles que tem comunhão com o culto aos deuses e suas praticas ..O escrito é uma grande arte em extenção de algo antigo e que celebra também o hoje..

Parabéns e tenhas uma linda semana

Rachel

Chellot disse...

Lindo versejar.
Beijos doces.

*Simone Poesias* disse...

Nossa adorei seus versos!
Fortes e envolventes.

Parabéns!

Também vim agradecer sua visita e comentário. Estou te seguindo!
Beijos no ♥

S* disse...

Isto é lindíssimo.

Luna disse...

Mais um cantinho de palavras diferentes mas também fortes
beijinhos

Related Posts with Thumbnails