O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




terça-feira, 15 de março de 2011

O miserável


Eu vejo um miserável.
É um velho. Como a borra do café.
Espera o sino bater, bater nove vezes
E senta à igreja, na escadaria.
Tira do bolso um garfo e enche o estômago de perfumes.

É um velho.

Agora vai descendo a rua.
Balança os braços. Não pensa em nada.
Nem na noite que lhe envolve o corpo.
É um velho. E balança os braços.
Como um títere suspenso.

RODRIGO DELLA SANTINA

2 comentários:

Ana Tapadas disse...

Belo poema sobre a fragilidade dos nossos velhos...da vida que se desrespeita...
Bjs

Rodrigo Della Santina disse...

Obrigado, Ana! Que bom que gostou de meus versos.
Grande abraço,

Related Posts with Thumbnails