O Equilíbrio da Vida (TAO)


O excesso de luz cega a vista.


O excesso de som ensurdece o ouvido.

Condimentos em demais estragam o gosto.

O ímpeto das paixões perturba o coração.

A cobiça do impossível destrói a ética.

Por isso, o sábio em sua alma

Determina a medida de cada coisa.

Todas as coisas visíveis lhe são apenas

Setas que apontam para o Invisível.



(Tao-Te King, Lao-Tsé)




terça-feira, 22 de março de 2011

Espasmos


Meros discípulos
Castigam-se
Em simbolismos
De previsão temporal
Onde não há ordem
Nem cedências.

Iluminados
Os servos do amor
Que ainda dormem
Sobre a sua imortalidade.
Num mundo utópico
De palavras torcidas
Pela melancolia
Da felicidade.

Somente
O eterno grito da liberdade
Deixa na alma
Estranhas palpitações.

José Bravo Rosa



Ecos desiguais


Um grito de liberdade
Faz romper o que é inércia
E ascende com a luz da alma
Os caminhos a prosseguir.
Felizes os que tem canto
E exalam em sons potentes
Com furor e propriedade
O odor da libertação.
Descontentes estão aqueles
Os quais já não tem mais voz
E entregue a o monstro feroz
Soltam apenas estertores.
Jairo Cerqueira

2 comentários:

Jairo Cerqueira disse...

Ecos desiguais

Um grito de liberdade
Faz romper o que é inércia
E ascende com a luz da alma
Os caminhos a prosseguir.
Felizes os que tem canto
E exalam em sons potentes
Com furor e propriedade
O odor da libertação.
Descontentes estão aqueles
Os quais já não tem mais voz
E entregue a o monstro feroz
Soltam apenas estertores.

Jairo Cerqueira

Bjs, Ianê!

Mgomes - Santa Cruz disse...

Ianê: Lindo poema mais parece ser um lindissimo grito a Liberdade de qualquer form adorei.
Parabens para ti e para o Bravo.
Beijos
Santa Cruz

Related Posts with Thumbnails